ENTRAR

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Festival Música em Leiria 2013 - Programa e Informações

A 31.ª edição do Festival Música em Leiria (FML) alia o espírito do empreendedorismo social ao dinamismo da região, assumindo-se este Festival, que é o mais antigo do país a decorrer de forma contínua, como embaixador do espírito de dinamismo, ambição e empenho da região de Leiria. 

A programação da edição de 2013 assenta nos binómios Tradição/Contemporaneidade e Rural/Urbano, denominadores comuns aos 14 espetáculos que a compõem, assumindo-se o Festival como criação artística indissociável do espírito empreendedor e inovador que fervilha na região que o acolhe, aliando as artes à indústria, pintando a cultura como emanação do empreendedorismo empresarial e de serviços.

A dualidade Tradição/Contemporaneidade contempla a conversão daquilo que é o convencional às novas linguagens da criação artística; por outro lado, o Rural/Urbano evoca a oposição do campo, enquanto espaço de isolamento e preservação, onde o tempo se dilata, remetendo o homem à sua expressão mais biológica e natural, à cidade, como palco de interceções múltiplas, de acelerada contaminação de ideias e linguagens. Estes binómios orientam a programação do FML, que revela o reforço na natureza eclética do Festival. Do mesmo modo, o FML assume-se como agente cultural por excelência na região, que consegue congregar em si os esforços de uma multidão para criar um evento cultural de qualidade, que recebe o aplauso do público cá dentro e lá fora.

O Festival fica marcado, mais uma vez, por muitas presenças internacionais de relevo. A estreia é no dia 1 de junho, no Teatro José Lúcio da Silva (TJLS), com o espetáculo “Inside Music machine – Anatomia musical: do visível ao invisível”, com Ianina Khmelik (piano), Hugo Novo (música eletrónica e teclados) e António Silva (câmara termográfica). Um espetáculo único, que junta música e tecnologia numa simbiose surpreendente. Segue-se, no dia 2, o espetáculo Península Diáspora, com os grupos Sete Lágrimas e Adufeiras de Monsanto, no Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha.

Os dias 5 e 6 de junho são dedicados às crianças, com três espetáculos “pi_ADD(a) forte”, com música, dança e vídeo, no Teatro Miguel Franco, em Leiria. A Igreja de São Pedro de Moel receberá um concerto dos Solistas da Gulbenkian, no dia 8 de junho, e, no dia 9 de junho, Jill Lawson regressa ao FML com Luísa Tender para um concerto de piano no TJLS. Uma excelente oportunidade para ver ou rever Jill Lawson.

O piano volta a palco com Bruno Belthoise e Christina Margotto no dia 10 de junho, que interpretarão melodias rústicas portuguesas, obras de Fernando Lopes Graça, entre outras composições. 

A Orquestra Gulbenkian protagoniza um grande concerto no dia 13, com Rui Pinheiro na direção e com os solistas Pedro Meireles no violino, e Ricardo Gaspar na viola, a interpretar a “Flauta Mágica” de Mozart e a “Quinta Sinfonia” de Beethoven. Ambos os concertos decorrerão no Teatro José Lúcio da Silva.

No dia 15 de junho o FML traz a palco a “prata da casa” com um concerto emblemático que junta, no TJLS o Coro do Orfeão de Leiria, o Coro de Câmara do Orfeão de Leiria, o Grupo de Percussão de Leiria, o Ensemble de Metais do Orfeão de Leiria, e a Escola de Dança do Orfeão de Leiria Conservatório de Artes, recebendo ainda convidados da Escola de Dança do Conservatório Nacional. A coreografia é de Catarina Moreira, professora de dança e a mais premiada coreógrafa portuguesa, André Sier ficará responsável pelo vídeo. O maestro Luís Casalinho dirigirá o concerto.

No domingo, dia 16 de junho, o Ludovice Ensemble leva à Igreja de São Francisco a música clássica, interpretada por Zsuzsi Tóth e Eva Braga Simões, ambas sopranos, Sofia Diniz, viola da gamba, e Fernando Miguel Jalôto, órgão e direção. Dia 23 de junho será oportunidade para mais um grande concerto, com dezenas de intérpretes e instrumentistas da Orquestra Filarmonia das Beiras, da Orquestra de Cordas e de Sopros do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro (DCAUA), do Coro do DCAUA, e do Coro do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Aveiro, com António Vassalo Lourenço na direção, Isabel Alcobia, soprano, Carlos Cardoso, tenor, e Luís Rodrigues, barítono. No repertório está a emblemática obra tão bela e esplendorosa, “Carmina Burana”, de Carl Orff.

O Teatro-Cine de Pombal recebe o concerto “A Guitarra Latino-Americana” protagonizada por Cláudio Marcotulli, no dia 25 de junho, um dos maiores guitarristas mundiais da atualidade. O FML 2013 encerra no dia 28 de junho, com um concerto protagonizado por Carlos Bica no contrabaixo e João Paulo Esteves da Silva ao piano. As obras deste concerto são da autoria destes dois intérpretes.

«O Festival Música em Leiria é considerado uma aposta de sucesso, e é o símbolo máximo do empreendedorismo e inovação nas Artes na região», defende Henrique Pinto, presidente do Orfeão de Leiria, «e espelha o que de melhor se faz em termos artísticos, sendo um embaixador, dentro e fora do País, desta vontade de fazer e de ter sucesso, que caracteriza os empresários da região. É sobretudo o empresariado da região e do país que tem sustentado o Festival, apesar dos apoios de sempre da Secretaria de Estado da Cultura e das autarquias». 

O logótipo da edição de 2013 espelha esse mesmo vínculo entre as artes e o empresariado, a cultura e o empreendedorismo da região. O desenho da imagem deste ano tem em conta a orientação programática e a dialética entre as novas tecnologias e a tradição, com particular enfoque na cultura popular. A árvore modelada num simples fio elétrico descarnado faz essa mesma alegoria, entre tecnologia e tradição, indústria e cultura, campo e cidade, numa imagem singular, que espelha o fio condutor que existe entre o Festival Música em Leiria e a atividade empresarial da região.

O FML é um dos festivais mais conceituados a nível nacional e internacional, e vem há 30 anos a estimular localmente a cultura e a qualificação musical, sendo «o exemplo perfeito, o espelho do espírito empreendedor que se respira em Leiria, porque o empreendedorismo não é só empresarial é também educativo, social e cultural», atesta Henrique Pinto. «Empreendemos pela cultura, pela arte, pela música e pela dança, e criamos mais-valias que se traduzem em diversos setores, seja para o setor cultural propriamente dito, seja para a visibilidade da região de modo lato, lá fora, seja no turismo na restauração, no comércio». 

O entusiasmo à volta do evento é bem patente na região, na vontade que as entidades parceiras, amigos, mecenas e patrocinadores têm, todos os anos, em partilhar connosco esta iniciativa, em fazer parte. Este apoio torna estes nossos amigos acionistas da cultura, e tem permitido que, ano após ano, o Orfeão de Leiria promova um evento de qualidade. Se Paul Griffiths, renomado musicólogo norte-americano, escrevia no jornal The New York Times, em 1997, que o Festival Música em Leiria, pela sua temática, se encontrava entre os cinco melhores da Europa, de par com Bergen ou Salzburgo, então está quase tudo dito», salienta Henrique Pinto.

«Prova desse investimento na cultura e no FML é o reconhecimento, por parte da Secretaria de Estado da Cultura, de que o FML é aquele, entre os congéneres, que proporcionalmente maior apoio recebe do setor privado da economia regional e nacional, superior mesmo ao apoio da Secretaria e das autarquias. Pelo que, pode dizer-se e assumir-se com firmeza, graças à visão dos nossos parceiros, o Festival Música em Leiria é uma emanação do empreendedorismo – na mesma medida em que o são todos os projetos empresariais inovadores nascidos na região, e que a definem como um polo empresarial de excelência –, numa manifestação do empreendedorismo cultural», explica Henrique Pinto.

O Festival Música em Leiria decorre este ano entre 1 e 28 de junho e conta com 14 concertos a decorrer em Leiria, Batalha e Pombal.

0 comentários :

Enviar um comentário

English Destinoslusos Version Spain Destinoslusos Version French Destinoslusos Version German Destinoslusos Version